Aécio despacha Serra para o PSD de Kassab: ‘Seja feliz em 2014’

arquivo abr            

serrasab.jpg                

Dupla começou no processo eleitoral de 2004 com Kassab candidato a vice-prefeito na chapa de Serra

Depois de ver naufragar a fusão entre  PPS e PMN para criação do Mobilização Democrática, que iria abrigar o  tucano José Serra para a disputa eleitoral à Presidência da República em 2014, agora  é a vez do PSD do ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab buscar a filiação de  José Serra. Kassab  tem como meta o governo de São Paulo e já tem se declarado candidato. Para disputar a Presidência, Kassab escolheu seu colega José  Serra. Nos bastidores, políticos do PSD confirmam o convite e aguardam a resposta.

No final de junho, Serra teve uma conversa com Kassab. O argumento  colocado por aliados do tucano é o de que se ele conseguisse viabilizar  uma candidatura presidencial pelo PSD teria tempo de televisão  semelhante ao do senador Aécio Neves (PSDB-MG), candidato tucano ao Palácio do  Planalto. Mas Serra adora brincar de esconde-esconde nas eleições em  que participa. Em 1996, escondeu a si mesmo e não foi nem para o segundo  turno. Em 2002, escondeu FHC, mesmo tendo sido ministro do Planejamento  e da Saúde durante seu governo. Em 2010, escondeu FHC, Alckmin e o PSDB  inteiro (ou será que foram eles que se esconderam do Serra?). Agora, se escondeu de Kassab. Enquanto o ex-prefeito aguarda resposta,  ele passeia no exterior.

Serra vinha se apoiando no MD do deputado Roberto Freire (PPS-SP)  para difundir a tese de que possui outras opções políticas fora de seu  partido. Com a desistência do PMN fazer negócios com Roberto Freire, o  tucano se prepara para pular para o barco de Kassab. As especulações  sobre a saída do ex-governador do PSDB ganhou mais força no domingo  (14), quando Aécio Neves despediu-se de Serra desejando felicidade em 2014: “Respeito qualquer que seja a decisão do companheiro José Serra. É  uma decisão muito pessoal. Desejo pessoalmente que ele seja feliz em  2014 e que as oposições possam vencer as eleições”.

O paulistano quer Kassab de novo?

Filiado ao  PL pelas mãos de Guilherme Afif, Gilberto Kassab foi eleito vereador em  1992 e integrou o “centrão”, núcleo do toma-lá-dá-cá na Câmara. Mais  tarde, em 1997, já pelo DEM (então PFL), Kassab foi secretário de Planejamento do governo Celso Pitta, uma das administrações mais  desastrosas que a cidade de São Paulo já teve. Até que, em 2004, tornou-se vice na chapa de Serra nas eleições municipais. Dois anos  depois, quando o tucano abandonou a prefeitura para disputar o governo do  estado, ganhou de presente o cargo de prefeito. Nas eleições  municipais de 2008, escudado por Serra, concorreu à reeleição. Mentiu  descaradamente, maquiou os problemas de São Paulo, investiu pesado na  rejeição da ex-prefeita Marta Suplicy e conseguiu se eleger para mais  quatro anos. O resultado foi  uma espécie de segunda gestão Pitta. E ele  quer mais!

Más notícias aos adversários

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel,  esteve em Minas Gerais na sexta-feira (12) para receber do governador Antonio Anastásia (PSDB) a medalha JK, concedida a ele em 2009 pelo então  governador tucano Aécio Neves. Depois de almoçar com os tucanos, Gurgel  revelou que nos próximos dias vai emitir parecer sobre representação  de que Aécio declarou à Justiça Eleitoral patrimônio de R$ 617 mil, mas foi flagrado em uma blitz da Lei Seca no  Rio dirigindo um Land Rover avaliado em pouco mais de R$ 300 mil. O carro  estava em nome da Rádio Arco-Íris, que pertence a Aécio. A empresa foi  registrada na Junta Comercial de Minas Gerais (Jucemg) com capital  social de R$ 200 mil. Na sua frota havia outros 11 veículos, sendo pelo  menos três importados.

No mesmo dia, Gurgel anunciou também que o julgamento do mensalão  mineiro do PSDB, também chamado de valerioduto tucano envolvendo Azeredo, poderá ocorrer no começo de 2014, tão logo seja concluído  pelo STF o julgamento da Ação Penal 470, o mensalão.

Para  quem não lembra: relatório da Polícia Federal aponta esquema em  Minas, em 1998, tendo o então governador, Azeredo, como seu principal beneficiário. Segundo a investigação, pelo  menos R$ 5,17 milhões, em valores da época, saíram de estatais mineiras  para o esquema de arrecadação paralela de recursos da campanha de  Azeredo, por meio da agência SMPB, do empresário Marcos Valério.Os  desvios ocorreram por meio de cotas de patrocínio de eventos e  publicidade fictícia. Aécio é citado em uma lista como beneficiário de R$ 110 mil na campanha de 1998, então  candidato a deputado federal.

Más notícias também para Eduardo Campos

A  oposição do governador de Pernambuco, Eduardo Campos  (PSB), acena com a  possibilidade de uma CPI depois de o Jornal do Comércio publicar  no  domingo (14) que nos últimos 18 meses o governador gastou R$ 5,7 milhões  com locação de jatinhos e helicópteros: R$ 4,3 milhões em 2012 e R$ 1,4  milhão nos seis primeiros meses deste ano.

Faltando mais de um ano para as eleições, a guerra já começou.  Agora é aguardar para saber se o “povão” vai escolher o mesmo dos  mesmos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s